Share |

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Será que o futebol se moderniza algum dia?



Por que só o futebol não muda? Todos os esportes populares se modernizaram, alteraram suas regras - para o bem ou para o mal -, aceitaram as inovações tecnológicas para evitar erros. Mas, desde que acompanho a paixão nacional, tudo continua na mesma. Inclusive as polêmicas. Se não me engano a última mudança mais significativa foi a bola atrasada pro goleiro que não pode pegá-la com a mão.


Agora, os velhinhos da Internacional Board tentam mostrar serviço com o teste de colocar assistentes atrás do gol - o que o Carioca já fez - a fim de evitar os absurdos cometidos na Copa, como o gol não dado do inglês Lampard contra a Alemanha e o não anulado por impedimento gigantesco de Tevez contra o México.

Muito pouco diante das inúmeras mãos, braços, dedos na bola, gol claros não confirmados e impedimentos grosseiros não vistos. Além da violência, pouco coibida em campo. A Fifa continua a ignorar o uso da tecnologia com o argumento da democratização. Nem todo mundo poderá ter bolas com chips ou telões com replays. Se nas grandes competições tivessem isso já estaria de bom tamanho.


Outro velho argumento é que graça do futebol é essa... Os ingleses devem ter achado muito engraçado o gol de Lampard entrar e o juiz não ter visto. Assim como os irlandeses com a mão de Henry. Estão rindo até agora. Pelo menos da pífia atuação francesa no Mundial.

Todos os argumentos são nulos pelo simples fato de que o prejudicado não o seria se alguma das medidas estivessem em vigor. Ao menos nos erros mais grosseiros. Ninguém é ingênuo de crer que as polêmicas acabariam e que qualquer lance duvidoso pararia o jogo por minutos. Pararia o tempo suficiente pra se conferir o que houve. Como hoje já se para quando todos os jogadores vão em cima da arbitragem reclamar de algum lance claro e retardam o recomeço da partida.


Além dos erros de arbitragem, a própria dinâmica do futeol parece intocável há anos. A velocidade em campo triplicou, os espaços diminuíram e as faltas continuam. Ninguém pensa em limitar número de faltas e quem exceder ser penalizado com cobranças extras (já foi feito por aqui num torneio da vida). Ou ainda aumentar o campo ou diminuir o número de jogadores. Não sei se é impressão minha, mas sempre acho os jogos melhores quando os times têm expulsões.


Isso já é sonhar demais. Uma bolinha com chip já me deixaria satisfeita. Por enquanto.


Tatiana Furtado

0 comentários:

Postar um comentário